quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

O Rebolation

Por Bahta

Não, eu não estou falando daquela poluição sonora, que denegriu a imagem da famosa dança das raves, que algum imbecil denominou “hit”. To falando da dança das raves mesmo.

E por falar em denegrir imagem, é sobre isso que venho falar aqui hoje. Bom, é melhor sentar porque o assunto é longo e polêmico.

Cara, eu fico abismada como que as pessoas gostam de criticar de todas as maneiras (e muitas absurdas) as raves, ou festas de música eletrônica em geral.

Aqui em Florianópolis, ao contrario do sudeste, conseguiram proibir a promoção de raves, pois aqui não rola tanto público pra isso. Aqui a galera curte mais o som quando rola dentro de boates e não mete as caras nas ruas pra lutar a favor de uma festa que nada tem de diferente (no quesito DROGAS) de um show de reggae, axé, rock, sertanejo e o caralho a quatro.

Enfim, o fato é que esse final de semana rolou a Creamfields aqui em Floripa, o maior festival de música eletrônica do mundo. E o que difere esse evento das raves, pra ter sido liberado??? Eu até agora tô tentando descobrir. Foi muiiito bom por sinal, mas de cara notava-se que tinha mais gente perdida ali sem saber o que estava acontecendo do que gente que curtia na real o som, pode crê!?

Creamfields

A tempos vemos as festas de música eletrônica serem invadidas por pessoas que não estão nenhum pouco preocupadas com o sentido de tudo que acontece ali. Não vou usar de hipocrisia e dizer que não rola droga, é claro que rola, e rola muiiiito my brother (é rola sim... E daí, ficou espantado com isso? Ueh achei que isso todo mundo já sabia, gostam tanto de falar por aí...), acontece meus caros, que o êxtase e o LSD, tirando a composição química, nada tem de diferente da porra da cocaína que rola no pagode, no rock, no axé, e nem da maconha que rola no reggae (sacanagem, ai eu exagerei, tem diferença sim. A diferença é que deveriam legalizar o beck, enfim... sem apologias :p). Na real todas são ilícitas, e se rolam em excesso em determinados ambientes, que proíbam então todos os eventos musicais, do contrário deixem nossas festas em paz.

Eu sou a favor da idéia de que, pra se criticar algo é preciso primeiro conhecer e quando falei sobre as outras tribos musicais ali em cima, eu só disse porque conheço Bem, ok!? Por tanto, se você NUNCA FOI EM UMA RAVE, não saia por aí falando merda e criticando algo que você nem conhece, ok? Vai em uma , e depois você fala... Só duvido muito que terá algo pra falar.

Na rave não rola briga, não rola pegação, na rave não rola roubo, na rave se tem paz, você se sente em casa, você só dança, e a música eletrônica te leva a lugares inimagináveis.

Pra traduzir melhor o que eu to tentando expressar aqui (como se fosse possível expressar com palavras os sentimentos. E eu to falando de sentimentos MESMO), vou postar um texto que passou no telão da Soul Vibes no aniversário festa, a música parou, a galera parou, o mundo parou de girar!!! Porque naquele momento a única coisa desejável era que todas as pessoas que criticam as raves estivessem ali pra poder entender o que na real a música eletrônica significa.

Então lá vai, se liga aí:

Manifesto Pela Liberdade.

"A música eletrônica aproxima o homem de si mesmo. Dá asas ao espírito, que voa em busca de novas sensações e descobertas.

Festejar é celebrar a vida. É deitar na grama e lembrar que todos somos parte da natureza e que sem ela não existimos. É curtir o hoje, esquecer o ontem e não temer o amanhã. Festejar é deixar que a música seja o maestro soberano do corpo. É perceber que dinheiro nenhum substitui o valor das amizades. Festejar é ser livre para decidir os rumos da própria vida.

Nos últimos tempos, porém, vimos as raves serem invadidas por pessoas despreocupadas com qualquer filosofia ou valor, interessadas apenas em experimentar novas drogas e testar os limites do corpo. As festas foram contaminadas por preconceito, brigas, hipocrisia. E a magia foi se apagando.

Essa distorção de valores abriu espaço para ataques por parte da mídia e das autoridades. Nosso paraíso está seriamente ameaçado pela censura. Somos um risco porque despertamos de um estado anestésico e caminhamos para a conquista da liberdade plena: de expressão, de escolha, de pensamento.

O destino das raves está nas suas mãos. Traga o melhor de você para a festa. Compartilhe-a com quem você ama. Pois não é com palavras que se explica o poder redentor dos primeiros raios de sol ou que se entende a energia de um abraço.

Vamos resgatar a magia. Criar um ambiente de amor, paz, união e respeito, onde todos possam curtir a música, os amigos e a natureza em harmonia. Vamos construir uma grande comunidade onde todos somos irmãos. Unidos pela música. Essa é a essência das raves e lutaremos por ela até o fim.

Podemos ir além. Pela primeira vez na história, temos chance real de construir um mundo melhor. Você tem poder. Pressione a imprensa e, principalmente, seja a imprensa. Nosso maior inimigo é a ignorância. Espalhe a mensagem para bem longe dos limites da festa.

E quando a força de nossa voz tocar o coração de cada ser humano e alcançarmos uma nova consciência, teremos, enfim, conquistado a tão sonhada liberdade."


Vamos a algumas observações minhas??? ;)

Obs.¹: Nosso maior inimigo é a ignorância... Pense nisso, reflita, e use-o para todo e qualquer aprendizado na sua vida. De nada nos serve a sabedoria senão a passarmos adiante e senão a usarmos de forma evolutiva.

Obs.²: A maioria das pessoas passa a vida inteira correndo atrás de coisas que não as fazem felizes e nunca sabem porque não encontram a felicidade. Tudo o que você procura está dentro de você. Você é sua consciência, seja consciênte de você. E se você ainda não descobriu quem és, jamais aponte o dedo pra alguém e tente criticá-lo.

Então é isso aí rapazeada e a galera que curte o evento, se liga que o José Padilha, diretor do filme "Tropa de elite", já esta com seu novo projeto em andamento, com o nome provisório de “Posto 9”, ele está produzindo um longa que vai falar de um casal que se apaixona em uma rave (conheço uma história parecida com essa hein amor, rs). Porém pelos boatos que ouvi, o filme vai falar de tráfico de drogas, e seu consumo excessivo dessas substâncias nas raves rs. Antes de criticar, eu quero esperar o filme ser lançado e acreditar que a mídia brasileira não vai nos envergonhar mais uma vez. Um cara com tanta fama e tão conceituado como esse diretor, podia aproveitar pra acabar de uma vez por todas com essa palhaçada, esse tabu tosco que ainda existe em cima das raves, né??? Enfim, aguardemos....

Por um mundo melhor, eu acredito no despertar de uma nova consciência mundial.

Good Vibes Galera...

Fiquem na paz.

Sugestões pro prómixo post?? Manda aê: bahta15@yahoo.com.br


Beijos Bahta! :***

8 comentários:

  1. Rebolation nasceu na Bahia e vai morrer na Bahia manola.

    ResponderExcluir
  2. Corintianoooooo

    O berço da nova dancemusic na Europa.
    blog maneiro :P

    ResponderExcluir
  3. na bahia... rss Eu me divirto rs

    ResponderExcluir
  4. Opa! Casos de amor q se conheceram na rave?! Ta aqui a prova viva!!! Pode considerar excesão, mas axiste! ;D
    Belo post, é isso aí, quem é 'amante' das festas, assim como eu, tenho certeza que está cansado da banalização que a midia manipuladora faz!
    Droga tem em todo lugar! Até em eventos cristãaaos!!
    Acoorda pessoal!
    Yara/ES

    ResponderExcluir
  5. É isso ai Yara, sou a prova tbm de q romances virtuais e eletronicamente musicas rs dão certo. divulga o nosso blog ai, e vamos tentar acabar com esse tabu escroto por trás das raves.
    No Jesus Vida Verão rola mais droga que em rave. rs

    ResponderExcluir
  6. Jesus Vida Verão... quando vc fala de droga lá não está falando da música, tá???? kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. duplo sentido amigo...po, nao sabe!? rss :p

    ResponderExcluir